6 tipos de adoçantes

6 tipos de adoçantes
6 tipos de adoçantes

Consumidos de forma consciente, podem ser grandes aliados. Conheça os 6 tipos de adoçantes.

emagrecer

Substituir o açúcar pelos edulcorantes artificiais, conhecidos popularmente por adoçantes, é uma das regras da alimentação de um diabético, já que estes produtos foram criados exatamente para isso. Mas é importante ressaltar que o uso deve ser moderado e orientado por um médico. Pessoas com diabetes podem utilizar qualquer adoçante disponível no mercado, mas é indicado variar entre eles para que o corpo não se acostume com as substancias.

Deve-se consumir adoçantes artificiais com moderação em função da ação metabólica que possuem e não pelas calorias ingeridas, que geralmente são reduzi- das”, completa Marcia. E necessário, antes de qualquer coisa, observar a quantidade de consume recomendada para cada tipo do produto. A dica é ter dois ou três tipos de adoçantes em casa e intercala-los toda semana. Conheça os 6 tipos de adoçantes.

1 – Sucralose: extraída da cana-de-açúcar, é o único adoçante sem calorias feito a partir do próprio açúcar, o que mante um sabor similar. Além de ser segura e pode ser consumida por toda a família, a sucralose tem estabilidade ao calor e não perde seu poder adoçante em altas temperaturas.
Calorias: não contém.
Porção ideal por dia: 15mg por quilo de peso corporal.
Contraindicação: não tem.

2 – Aspartame: é uma proteína dissociada, formada a partir dos aminoácidos de alimentos. Muito usado pela indústria alimentícia, principalmente em refrigerantes diet, é sensível ao calor. Ele possui um sabor agradável e parecido com o do açúcar branco, só que com o potencial adoçante 200 vezes maior, o que permite o uso de pequenas quantidades.
Calorias: 4 kcal por grama.
Porção ideal por dia: 40mg por quilo de peso corporal.
Contraindicação: para gravidas e lactantes, já que é contraindicado para portadores de fenilcetonúria, doença diagnosticada no nascimento do bebé através do teste do pezinho, que impede a metabolização da fenilalanina.

Leia também:
Conheça os sintomas da Diabetes tipo 2

3 – Frutose: obtido de frutas e do mel, ela tem uma absorção mais lenta pelo organismo, se comparada ao açúcar normal. A frutose é metabolizada no fígado e aparentemente estimula muito menos a produção de insulina em relação aos outros açúcares. Pesquisas demonstraram que a frutose está associada ao aumento dos níveis de triglicerídeos e colesterol, por também ser precursora de gorduras.
Calorias: 4 kcal por grama.
Porção ideal por dia: 40mg por quilo de peso corporal.
Contraindicação: em excesso, pode causar cáries.

4 – Sacarina: é o edulcorante artificial não calórico mais antigo que existe. Extraída do petróleo, sozinha, em altas concentrações, tem gosto residual amargo e metálico, normalmente é associada ao ciclamato. É absorvida lentamente pelo organismo, mas não é metabolizada. Pode ser utilizada em preparações quentes.
Calorias: não contém.
Porção ideal por dia: 5mg por quilo de peso corporal.
Contraindicação: gestantes, pessoas hipertensas, com problemas renais e cardíacos devem evitar a sacarina, porque ela possui alto teor de sódio.

5 – Esteviosídeo: extraído da stévia, é o único adoçante de origem vegetal produzido em escala industrial Esse adoçante libera o dulçor mais rapidamente em água quente e mais lentamente em água fria. É 300 Vezes mais doce que o açúcar. O esteviosídeo não produz cárie, não é tóxico e nem é metabolizado pelo organismo.
Calorias: não contém.
Porção ideal por dia: 5,mg por quilo de peso corporal.
Contraindicação: não tem.

6 – Ciclamato: também extraído do petróleo, tem um gosto residual doce-azedo. É aproximadamente 30 vezes mais doce que o açúcar comum. É solúvel em líquidos e, por ser estável no frio e no calor, tem uma vida útil longa.
Calorias: não contém.
Porção ideal por dia: 11mg por quilo de peso corporal.
Contraindicação: não deve ser utilizado por hipertensos, pessoas com problemas renais, cardíacos e gestantes, por causa do sódio.