1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars ( 1 Votos )
Loading...

Adoçantes artificiais: efeitos colaterais e alternativas para o açúcar

Adoçantes artificiais: efeitos colaterais e alternativas para o açúcar
Adoçantes artificiais: efeitos colaterais e alternativas para o açúcar

Porque o consumo de adoçantes artificiais não é recomendado para crianças menores de 3 anos, mulheres grávidas e lactantes?

emagrecer

Os adoçantes artificiais nascem no laboratório, e são caracterizados por um elevado poder edulcorante e a ausência de calorias. Geralmente são regulados por uma indicação da dose máxima diária que varia de acordo com o tipo de edulcorante e é calculado com base no peso.

Hoje em dia, os adoçantes são usados na fabricação de bebidas, sorvetes, doces, gomas de mascar, iogurte, biscoitos e outros alimentos industrializados. Mas muitas vezes nos perguntamos se eles realmente não são prejudiciais à saúde.

Adoçantes artificiais contra-indicações

Os edulcorantes artificiais têm um poder edulcorante muito maior do que o açúcar, mas sem, praticamente calorias.

Os adoçantes artificiais são predominantemente contidos em alimentos e bebidas consideradas diet e light. Tais produtos são aprovados por instituições de saúde e somente após vários testes são colocados nas prateleiras.

Mas então por que nos rótulos muitas vezes é incluído o aviso para não usar durante a gravidez, lactação e em fase crescimento? E porque há dose diária a ser respeitada?

Porque são fabricados através de um processo de síntese química, que é capaz de produzir substâncias que, além de ser mais doce do que o açúcar, não engordam. Mas principalmente, porque não são absorvidos pelo organismo.

Os tipos de adoçantes sintéticos

Sacarina: é um edulcorante artificial com uma doçura 300 vezes mais elevadas do que açúcar de mesa, mas com a vantagem de não conter qualquer caloria, mas no entanto tem a desvantagem de ter um sabor desagradável.

Aspartame: é um edulcorante sintético com um poder adoçante 200 vezes maior do que açúcar e calorias praticamente nula.

Ciclamato: com 30 vezes maior poder edulcorante e sem calorias.

Sucralose: é um adoçante artificial obtido a partir do açúcar e tem um poder edulcorante superior ao açúcar, cerca de 600 vezes. Sem calorias uma vez que não é metabolizada, e com a vantagem de ter um sabor que lembra o açúcar e é resistente a altas temperaturas.

Acessulfame K: é um edulcorante sintético com um poder adoçante 200 vezes maior do que açúcar e não tem calorias. Tem uma boa resistência ao calor e, portanto, pode também ser utilizado para receitas que requerem uma cozedura.

Os adoçantes artificiais, a alternativa para o açúcar, têm efeitos colaterais?

As contra-indicações dos adoçantes artificiais variam de acordo com o tipo de edulcorante que estamos considerando. Os efeitos colaterais mais comum podem ser:

  • Efeito laxante;
  • Alterações de insulina;
  • Alterações nos níveis de açúcar no sangue;
  • Possível efeito cancerígeno, no entanto, ainda não foi confirmado;
  • Efeitos adversos sobre os rins, fígado e coração.

Além disso, o uso de adoçantes sintéticos por mulheres grávidas e crianças não é sempre recomendável porque pode ser perigoso e prejudicial.

Para as crianças, porque não é claro a dose diária recomendada, e durante a gravidez e lactação o uso de adoçantes artificiais não é recomendado porque não existem estudos sobre a possível toxicidade destas substâncias no feto ou amamentando criança.

Um estudo publicado na revista Nature, também mostrou que alguns adoçantes artificiais, em particular a sacarina, sucralose e aspartame, pode causar alterações metabólicas que resultam num aumento do açúcar no sangue.

Outro estudo publicado na revista Trends in Endocrinology & Metabolism, afirma que os adoçantes não são tão saudáveis como os consumidores acreditam. E aqueles que consomem refrigerantes adoçados artificialmente têm um risco maior do que aqueles que não consomem, de obesidade igualmente a associada com o consumo de refrigerantes adoçado normalmente.