Dieta de Sonoma: é possível emagrecer sem precisar contar calorias o tempo todo

Dieta de Sonoma
Dieta de Sonoma

O plano desta dieta é baseado sobre os benefícios da dieta mediterrânica, usando os ingredientes típicos da Califórnia (EUA), mas que podem ser encontrados em outros locais do mundo como o Brasil. A criadora da dieta é a pesquisadora de nutrição Connie Guttersen que, em publicações como o livro “Sonoma Diet”, demonstra que é possível emagrecer sem precisar se punir o dia todo ou tornar-se obsessivo por contar calorias no estilo 24/7.

emagrecer

A dieta de Sonoma é um sucesso desde sua publicação por promover a alimentação de refeições “ricas em nutrientes” e uma prazerosa comida de boa degustação. O plano de não contar calorias enfatiza que, ao invés disso, é necessário ser moderado no consumo de alimentos não saudáveis (tendendo pouco a pouco a evitá-los) e aproveitar os benefícios de frutas e alimentos orgânicos.

Uma curiosidade é que a origem do nome da dieta provém de um espaço geográfico. Guttersen batizou esta dieta com assim porque ela utiliza ingredientes da região de Sonoma, na Califórnia. Sonoma é uma cidade litorânea e de clima muito próximo ao das cidades praianas da tropical América do Sul.

O tamanho das porções de alimentos segundo a dieta de Sonoma

A dieta de Sonoma procura mudar a maneira de como comemos e ainda oferece sugestões de como medir o tamanho das porções de alimentos para evitar a dependência alimentar e dependência de alimentos cheios de açúcar processado.

O prato do café da manhã deve medir 7 polegadas (18 cm) e a xícara deve ter uma capacidade de apenas dois copos. Para o almoço e o jantar o prato deve medir somente 9 polegadas (23 cm), e os alimentos que serão incluidos nele deverão igualmente ser tipificados como não gorudorosos (gordura saturada), sem farinhas brancas, sem excesso de sódio (vide os embutidos), entre outros.

A Dieta Sonoma lembra muito outra dieta:  a Dukan. Isso se deve, em grande parte, porque ambas as receitas são pobres em carboidratos. Um cuidado para quem tentará esta dieta diz respeito às alergias em relação a alguns dos alimentos contidos nela. Soja, amendoim e outros grãos não são exatamente de fácil digestão e, algumas pessoas, e ainda são o gatilho para determinadas alergias.

Dieta de Sonoma: os 10 alimentos-chave

Os três passos indicados por esta dieta são feitos para facilitar ainda mais sua vida e por isso, nada mais justo, o método é dividido didaticamente em três fases.

A primeira, com promessa de enxugar até 5 kg em dez dias, facilita a perda de peso a jato (mas varia muitíssimo de corpo para corpo, de situações relativas aos hábitos de práticas de exercício e as distintições entre metabolismos). Essa perda ocorre porque a pouca quantidade de carboidrato (pães e massas) ingerida nesta fase obriga o corpo a queimar calorias.

A segunda, sem tempo limite de realização e voltada às suas metas próprias e saudáveis, deve ser seguida até você atingir o peso desejado (e executável). A terceira, por sua vez, se resume à manutenção da boa forma conquistada (adeus, efeito sanfona!).

Lembre-se de sempre procurar saber mais sobre a dieta em questão antes de colocá-la em prática. Outro ponto de atenção deve estar na hora de comer os legumes que possuem lecitinas: em algumas pessoas muito sensíveis, as lecitinas podem agravar a síndrome do intestino permeável, além de causar alguns incômodos como gases e leves inchaços.

Para começar a seguir o plano alimentar desenvolvido pela Guttersen são necessárias duas coisas: ter refeições com as medidas estipuladas pela nutricionista e conhecer os “10 alimentos-chave” que fazem parte do cardápio da Dieta de Sonoma. Devido ao seu alto valor nutritivo e o seu elevado teor de antioxidantes, os “10 alimentos-chave” são:

1. Amêndoas

2. Pimentas de todas as cores

3. Mirtilo

4. Brócolis

5. Uvas

6. Azeite

7. Espinafre

8. Morangos

9. Tomatoes

10. Grãos Integrais