1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars ( 1 Votos )
Loading...

Você conhece os 3 diferenciais da dieta flexitariana? Saiba porque ela pode te ajudar a emagrecer

Dieta Flexitariana
Dieta Flexitariana

O termo que “flexitarianismo” é um neologismo (uma palavra nova) não tão recente que mistura em si duas palavras: “vegetariano” com “flexible”. A criação do termo se justifica por designar aquelas pessoas cuja dieta é fundamentalmente vegetariana, mas, em alguns casos muito pontuais e raros, elas não se privam de carne (e muito menos têm horror à ideia de comer este tipo de alimento de origem animal quando estão fora de casa, por exemplo).

emagrecer

Assim, ainda que nenhuma organização puramente vegetariana tenha reconhecido o termo como “sério”, esta dieta flexitariana parecer ser o primeiro passo de muita gente que decide deixar de lado a carne e o peixe – aos poucos e de forma não radical – para emagrecer.

Mesmo criticada por vegetarianos e veganos (que afirmam ser o flexitarianismo uma forma de burlar as regras das alimentações que não ingerem conteúdos e derivados animais), ainda assim, a dieta flexitariana tem alcançado muita fama e se espalhada por todos os lugares com bons resultados.

Os alimentos da dieta flexitariana

A dieta flexitariana enfatiza o consumo de frutas, vegetais, cerealis integrais e proteinas vegetais que, direta ou indiretamente, possam substituir as proteínas derivadas do animal (a carne), ainda que ovos, mel, queijo e leite, por exemplo, sejam permitidos neste contexto. A flexibilidade apontada na dieta mostra que a carne, em raras situações, pode estar em pequeníssimas porções como um ingrediente de acompanhamento (e não o prato principal) de massas, pasta e saladas.

Legumes, hortaliças e verduras frescos preferencialmente podem vir de consumidores nacionais (preferencialmente locais) e a exclusão de alimentos processados faz parte da filosofia desta dieta. Carnes e derivados animais, ainda que em poucas quantidades, deve seguir a regra de produtos que não vêm de uma cultura intensiva, prejudicial ao funcionamento dos ecossistemas e na qual o animal sofre e se estressa.

Por que ela pode ajudar a emagrecer?

Com o intuito de melhorar a condição nutricional e péssimos hábitos que compartilhamos de consumo de fast food e sedentarismo, por exemplo, a dieta flexitarian traz vantagens associadas ao desenvolvimento de uma dieta mais voltada ao mundo vegetariano, mas que, aliada às técnicas de “compensação” felxitariana que podem ser adotadas no cotidiano, é mais eficaz.

Apontadas por muitos como o modo de vida “parcial” de ser vegetariano, a dieta auxilia no emagrecimento pelo baixo teor calórico consumido e pela qualidade da escolha de alimentos que vão do prato ao estômago. Ou seja, ela não é radical, mas permite vez ou outra o consumo de um alimento quase proibido (como as carnes) desde que em poucas quantias e de forma moderada.

O diferencial maior da dieta

Um exemplo do diferencial desta dieta é que as principais deficiências analisadas em pessoas que somente ingerem alimentos proveninetes de um regime vegetariano rígido é o fraco consumo de um tipo valoroso de vitamina, a B12, que existe só em alimentos de origem animal (sem falar também, da ausência de ómega 3 muito associado aos peixes de gordura boa).

Além disso, a dieta flexitariana ajuda a emagrecer porque ela traz a junção da moderação com a combinaçã de um prato no qual é possível encontrar, por exemplo, dois terços de cereais (lembre-se: não refinados) mais um terço de alimentos como as leguminosas, oleaginosas ou (por que não?) os produtos à base de soja (como o tofu ou o tempeh).
Sobre o tempeh, a título de curiosidade, é interessante observar o quão saudável ele pode ser no processo de emagrecimento (já que possui poucas calorias).

Para quem não o conhece, o tempeh é um alimento fermentado sobremaneira a partir de um fungo (do gênero Rhizopus) que tem origem em sementes da soja branca vinda da Indonésia (sudeste asiático) e apresenta o que mais chama a atenção nas pessoas: um cheiro aproximado ao de nozes junto de uma textura densa que lembra a textura da carne animal consumida por muita gente).